causas do mau hálito

→ Conheça as 3 principais causas do mau hálito

A halitose (mau hálito) acomete mais de 50 milhões de pessoas em todo o Brasil. Há mais de 50 causas do mau hálito, cujas consequências vão bem mais além do que a exalação do mau cheiro pela boca. Há casos nos quais há uma evolução para um isolamento social ou até mesmo depressão.

Do outro lado, há três principais causas do mau hálito que acometem mais de 90% dos casos, segundo a literatura.

Mesmo assim, muitas pessoas não sabem que alguns sinais e sintomas indicam uma possibilidade na existência do mau hálito, ainda mais porque muitas vezes a pessoa sequer sente o mau cheiro porque literalmente o olfato se acostuma com o cheiro ruim.

Sabendo da existência destas causas do mau hálito, será possível intervir o quanto antes e procurar um especialista, uma vez que duas das três causas do mau hálito que iremos discutir aqui só podem ser diagnosticadas e solucionadas pelo profissional de saúde. Vamos lá conhecer?

MAU HÁLITO CAUSAS

1. Problemas nos tecidos gengivais (gengivite e periodontite)

Dentre as principais causas do mau hálito, encontramos os problemas que acometem os tecidos gengivais (periodontais), como a gengivite e a periodontite.

A. Gengivite (gengiva inchada)

A gengivite é caracterizada por uma inflamação nos tecidos gengivais, resultando numa gengiva inchada e que sangra com frequência, independente do estímulo, como escovação ou alimentação.

A gengivite causa mau hálito?

Está quase sempre associada à placa bacteriana e, embora seja considerada frequentemente pelo cliente algo sério, a gengivite é uma condição clínica extremamente comum.

Muitos estudos e pesquisas apontam que aproximadamente 85% da população brasileira apresentam algum grau de gengivite.

O que causa a gengivite? Por que minha gengiva fica inchada?

Na maior parte dos casos, a placa bacteriana é a grande vilã. Há uma inflamação no local a partir da liberação de toxinas, provocando uma reação inflamatória no local, deixando a gengiva inchada, sangrante e vermelha.

A formação da placa bacteriana na superfície dos dentes se dá a partir de uma higiene oral inadequada.

Existem outros tipos de gengivite que ocorrem por outros motivos além da placa bacteriana nos dentews, como é o caso da gengivite gravídica, decorrente da pela alteração hormonal inerente ao período gestacional.

Contudo, em gestantes com higiene bucal adequada e ausência de inflamação gengival, apenas 0,03% apresentaram algum grau de gengivite gravídica.

Algumas medicações, como a fenitoína (anticonvulsionante), predispõem não somente a gengivite como o crescimento da gengiva (hiperplasia gengival medicamentosa).

Tal situação deve ser discutida com o profissional de saúde, e discutir a possibilidade de troca da medicação por outra que possua menos efeitos colaterais.

Determinadas alterações sistêmicas, como a diabetes, também predispõe o aparecimento de problemas gengivais, pois existe uma dificuldade de defesa por parte do organismo, decorrente dos níveis altos de glicose.

O fumo também entra como um fator que predispõe a gengivite, devido à quantidade de substâncias tóxicas presentes no cigarro, que causam problemas tanto nos tecidos bucais quando na saúde como um todo.

→ Conheça as 3 principais causas do mau hálito

Alterações dentárias, como o apinhamento dentário ou falta de espaço para a erupção correta dos dentes (foto abaixo), e o uso de aparelhos dentários ortodônticos dificultam a higiene bucal, sendo necessário um cuidado especial, além de supervisão periódica do Dentista, a fim de evitar problemas de saúde bucal.

→ Conheça as 3 principais causas do mau hálito

 Quais os sinais e sintomas da gengivite? 

Como toda patologia, a gengivite caracteriza-se por sinais e sintomas bem característicos, muitas vezes mencionados pelos clientes que procuram tratamento por estes motivos, como é o caso do sangramento gengival.

Para melhor entendimento, é imprescindível conhecer as características de uma gengiva saudável (foto abaixo):

→ Conheça as 3 principais causas do mau hálito

  • Aspecto róseo-claro;
  • Textura superficial semelhante à casca de laranja;
  • Contorno regular, com a gengiva bem aderida ao dente;
  • Ausência de sangramento espontâneo.

Essas condições acima são as desejadas nos tecidos gengivais da cavidade oral. Contudo, o descaso com a higiene oral ainda é bastante comum, diminuindo as chances de se encontrar tal padrão clínico.

Quando a gengivite não é tratada, evolui para uma condição chamada doença periodontal, que pode causar a perda do dente.

Na maioria dos casos, o cliente relata ao dentista que sua gengiva está sangrando com ou sem estímulo (menos comum).  O Sangramento consiste em uma das características das gengivites. Além desta, temos:

  • Gengiva inchada;
  • Gengiva dolorida;
  • Gengiva com aspecto vermelho e brilhante;
  • Diminuição da firmeza (gengiva solta);
  • Gosto metálico ruim na cavidade oral.

Qual o melhor remédio para gengivite?

Há diversos mitos na internet sobre medicações caseiras que tratam problemas gengivais. Inclusive, medicações com eficácia por si só não tratam a gengivite.

Em outras palavras: não existe um remédio que, isoladamente, trate a gengivite.

Pode-se associar ao tratamento medicações, como a clorexidina, para promover um melhor tratamento da gengiva doente, porém, vale salientar  que terá APENAS uma função paliativa, pois não agirá na causa (placa), que só pode ser removida pelo dentista.

Profissional responsável pelo tratamento: dentista

MAU HÁLITO CAUSAS

B. Periodontite (doença periodontal ou piorreia)

A doença periodontal, também conhecida como periodontite ou piorréia (nome popular), consiste em um problema de saúde bucal no qual há uma destruição dos tecidos de suporte do dente, o que inclui o osso ao redor.

doença periodontal ou periodontite

Ainda há muitas dúvidas em relação aos sinais e sintomas da doença periodontal bem como suas consequências não somente na saúde bucal como na saúde como um todo.

Para se ter uma ideia, as bactérias que causam a doença periodontal podem alcançar as válvulas do coração, resultando em uma infecção grave chamada endocardite bacteriana.

Há algumas alterações bucais que podem caracterizar a presença da doença periodontal (periodontite) no indivíduo. Vamos discuti-las abaixo:

1. Sangramento gengival provocado (por escovação dentária) ou espontânea

O sangramento gengival é um achado clínico encontrado tanto na gengivite (inflamação gengival) quanto na periodontite. A gengiva pode sangrar após a higiene bucal pela escovação dentária, através da alimentação ou até mesmo sangrar do nada.

2. Gengiva com aspecto vermelho vivo brilhante ou roxo

É comum também o indivíduo apresentar alterações de cor na gengiva, com a mesma ficando bastante vermelha e, em determinados casos, até roxa.

Tal situação ocorre pela evolução da inflamação gengival. Outro aspecto visível é o fato da gengiva inflamada ter um aspecto vermelho brilhante.

3. Presença de Halitose (mau hálito)

Na maioria esmagadora dos casos, tanto a gengivite quanto a periodontite apresentam a presença da placa bacteriana como agente causador. Tal processo inflamatório provoca a liberação de gases que causam o mau hálito no indivíduo.

4. Gengiva inchada

Na doença periodontal, o processo inflamatório nos tecidos gengivais provocarão aumento de volume na gengiva, que ficará com aspecto de gengiva inchada. Dependendo do caso, a gengiva inchada poderá até cobrir uma parte do dente envolvido.

5. Dentes soltos ou moles

Quando a doença periodontal não é tratada, evolui para um quadro infeccioso que provocará a destruição do osso que segura os dentes na boca. Por isso que é tão comum o paciente relatar que os dentes estão soltos ou moles.

Dependendo do grau da perda óssea, é possível reverter o quadro infeccioso através da raspagem e remoção da placa bacteriana e tártaro realizada pelo dentista.

Porém, há casos que a destruição óssea é tão severa que não é mais possível salvar o dente, sendo necessário realizar a extração dentária.

Profissional responsável pelo tratamento: dentista

MAU HÁLITO CAUSAS

2. Saburra lingual (língua branca)

Dentre as causas do mau hálito, encontramos como principal responsável pelo mau hálito a saburra lingual.

Tratar a saburra lingual, conhecida popularmente como língua branca, língua saburrosa ou língua esbranquiçada, de fato, é um dos principais passos para combater ou até mesmo eliminar o mau hálito.

Há muitos mitos sobre o tratamento da saburra lingual, que acomete 80% dos casos de pacientes com mau hálito, segundo pesquisas.

→ Conheça as 3 principais causas do mau hálito

A saburra lingual é formada através do acúmulo de resíduos alimentares, bactérias e células originadas da descamação dos tecidos da cavidade oral. É considerada uma das principais causas do mau hálito.

Em geral, a saburra lingual se localiza na porção posterior da língua. O metabolismo bacteriano que ocorre nesta região dá origem aos gases CSV (compostos sulfurados voláteis) responsáveis pelo mau hálito.

Por que este problema deixa a língua branca? 

A “mudança de cor” da língua, deixando-a branca, é causada pelo acúmulo de resíduos alimentares associado à diminuição da formação de saliva e uma descamação anormal dos tecidos da boca.

Neste momento, há um aumento da proliferação bacteriana que, além da formação dos gases CVS, há a formação de uma camada branca na superfície da língua.

Há diversos fatores que provocam a alteração do fluxo salivar, como por exemplo:

  • Pouca ingestão de água;
  • Determinados medicamentos;
  • Remoção das glândulas salivares (formam a saliva) ;
  • Tratamentos com radioterapia.

Outras situações que causam a formação da saburra lingual, deixando a língua branca e contribuindo como uma das principais causas do mau hálito

Há situações que podem contribuir para a alteração negativa do fluxo salivar e o aumento da descamação dos tecidos orais, contribuindo para a formação da língua branca:

  • Uso de aparelhos dentários ortodônticos;
  • Hábitos como morder canetas, lábios e bochechas;
  • Ronco;
  • Respiração bucal;
  • Uso de enxaguantes bucais com álcool;
  • Problemas no sistema digestivo;
  • Refluxo gastroesofágico;
  • Doenças sistêmicas (Diabetes Mellitus).

Identificada a existência, agora é hora de tratar a saburra lingual e combater o mau hálito. Há artifícios que podem e DEVEM ser usados para tratar a saburra lingual e recuperar o aspecto róseo da língua.

Higiene da língua a partir do uso do limpador de língua

O primeiro passo para tratar a saburra lingual é a remoção mecânica através do limpador de língua, que nada mais é do que um dispositivo que permite a limpeza da língua (foto abaixo).

→ Conheça as 3 principais causas do mau hálito

É importante também, caso haja este problema, identificar outros aspectos que contribuem para algum agente que influencia diretamente na formação da saburra lingual, como medicações que diminuem o fluxo de saliva na boca.

Ela pode ser utilizada para amolecer a saburra lingual, porém é importante utilizar o limpador de língua também.

Algumas escovas dentais possuem, na parte posterior da cabeça, um limpador de língua, que também pode ser utilizado para tratar a saburra lingual, contudo, sabendo que, pelo fato do tamanho do limpador de língua ser menor, é necessária uma limpeza mais demorada.

Não é aconselhado limpar a língua com a escova de dentes porque ela nem tem o formato ideal como tende a causar mais ânsia de vômito no indivíduo. Lembre que, na hora de limpar a língua, deve-se escovar delicadamente para evitar agressões aos tecidos. A ideia não é limpar até sangrar.

Profissional responsável pelo tratamento: dentista

MAU HÁLITO CAUSAS

3. Caseos amigdalianos (bolinhas na garganta)

Os caseos amigdalianos são bolinhas brancas ou amareladas que se formam na garganta, mais precisamente nas criptas (cavidades) amigdalianas. Estas bolinhas também fazem parte das principais causas do mau hálito.

→ Conheça as 3 principais causas do mau hálito

Os caseos amigdalianos são formados por restos alimentares, bactérias e restos celulares oriundos da descamação da mucosa oral. Vale salientar que a língua branca tem uma grande importância na formação dos caseos amigdalianos, principalmente pela proximidade com a região.

O tratamento, na maioria esmagadora dos casos, é conservador. A remoção das amígdalas se dá por outro motivo, como infecções nas amígdalas recorrentes. Gargarejos com água morna podem facilitar a remoção dos caseos amigdalianos porque há uma dilatação das criptas amigdalianas.

Além disso, faz-se necessária uma boa higiene bucal, em particular da língua, para evitar o acúmulo de bactérias nesta região.

Profissional responsável pelo tratamento: otorrinolaringologista


Conheça o nosso programa de combate ao mau hálito. Clique na imagem abaixo e saiba MAIS.

→ Mau hálito: causas e tratamento. O guia definitivo para acabar com este problema

 → Mau hálito: causas e tratamento. O guia definitivo para acabar com este problema

Leave comment

Rua João Fernandes Vieira, 547, sala 305

Boa Vista, Recife/PE

(81) 30627303

Agende sua consulta

Horário de Funcionamento

Seg - Sex: 8:00 - 17:00

Fale Conosco

[email protected]
error: Proibida a cópia sem autorização