cárie dentária

→ Cárie Dentária: tudo o que você precisa saber

Quando mastiga, sente alguma dor ou sensibilidade? Percebeu que, em algum dente, apareceu uma mancha escura que cresce mais com o passar do tempo? Pois é. Sinto te dizer, mas existe uma chance considerável de você ter cárie dentária (cárie no dente).
A cárie dentária constitui-se um dos problemas de saúde mais comuns.  A cárie é uma doença transmissível (que pode passar de uma pessoa para a outra), caracteriza pela destruição, a partir de bactérias, dos tecidos que formam o dente.

O dente é a unidade extremamente dura e resistente formada pelos tecidos dentais (esmalte, dentina, cemento e polpa).

O que é a cárie no dente?

Os dentes fazem parte ativamente do processo mastigatório e, geralmente estão em número de 32, inseridos no osso maxilar (superior) e mandibular (inferior).

 
→ Cárie Dentária: tudo o que você precisa saber
 
Na boca do ser humano, naturalmente há diversas bactérias que habitam este ambiente. Quando estas bactérias recebem alimentos através da alimentação, há a formação do conteúdo ácido ocorre a partir da fermentação dos carboidratos, mais especificamente a sacarose.
Quando não há uma higiene oral adequada, ocorre a formação da placa bacteriana no dente, que é uma película que adere à superfície dos dentes, composta por restos alimentares, bactérias e ácidos. 
Vale ressaltar que a falta de controle da placa bacteriana causará a formação do tártaro que, por sua vez, ocasionará inflamações nos tecidos gengivais chamadas de gengivite e periodontite.
 
Estes ácidos diminuem o pH da cavidade bucal, facilitando a desmineralização do esmalte dentário, iniciando o processo de formação da cárie no dente.
Neste momento, inicia-se a alteração da de cor do esmalte do dente, que fica mais branco (opaco), indicando que houve perda de mineral decorrente do ataque ácido naquela região do dente.
  
Esta desmineralização provoca desde o aparecimento de uma superfície rugosa (em geral, de cor branco opaca) até a formação de uma cavidade na superfície dentária, característica clínica muito conhecida da cárie no dente.
Em geral, inicialmente  cárie no dente não provoca dores. Contudo, caso a cárie no dente não seja tratada, ela começará a causar dores que vão desde dores leves a muito fortes (geralmente associadas a lesões na polpa do dente).
 
Caso o processo não seja interrompido, a cárie no dente terá continuidade nos outros tecidos (dentina e/ou cemento), alcançando a polpa dentária (nervo do dente), podendo haver a necessidade de tratamento de canal do dente e, se este não for tratado, pode haver até a perda do dente.
 
Deve-se levar em conta que outras situações além da cárie no dente promovem a perda dentária.
 → Cárie Dentária: tudo o que você precisa saber
 
 

 O que causa a cárie dentária? Por que aparece cárie no dente?

 
A cárie no dente é caracterizada como uma doença multifatorial (vários fatores). Não existe um fator isolado para promover a ocorrência da cárie dentária, mais sim uma combinação de fatores que favorecem a formação da cárie no dente.
 
 
→ Cárie Dentária: tudo o que você precisa saber
 
Deve haver uma correlação propícia entre as bactérias presentes na placa bacteriana e relacionadas com o processo (principal delas é a Streptococcus mutans), a frequência de substrato (açúcar) que o indivíduo faz uso e um hospedeiro (dente) susceptível.
Em outras palavras: sabe aquela pessoa que só escova os dentes uma vez por dia e não tem cárie no dente ou teve pouquíssimas vezes? Pois é. Isso pode ocorrer. Da mesma forma que há pessoas que escovam os dentes várias vezes ao dia e desenvolvem cárie dentária.  
 
Um dente pode ter cárie no dente quando ele apresenta fissuras profundas (pequenos canais), dificuldade de ser higienizado (por exemplo, apinhamento dentário) e pouco contato com o flúor através da pasta de dente ou das águas fluoretadas.
 
Outros fatores também contribuem para a formação da cárie no dente, como por exemplo, a capacidade tampão da saliva (capacidade de neutralizar o pH da cavidade bucal, tornando-o desfavorável ao desenvolvimento da cárie dentária).
 
Neste caso, hoje em dia, pode-se fazer uso dos testes salivares para analisar a quantidade e qualidade da saliva.
 

Uma Higiene bucal deficiente favorece bastante o andamento do processo carioso, visto que não existe o contato com o flúor que retarda o processo carioso, além da não remoção da placa bacteriana.

Quais são os tipos de cáries dentárias?

 

Para melhor compreensão, há dois tipos de cáries no dente:

A. Cárie coronárias, isto é, que afetam as coroas dentárias

 

As cáries nas coroas dos dentes compreendem, disparado, o tipo mais comum de cárie no dente. A coroa dentária nada mais é do que a parte branca do dente que é responsável pela mastigação dos alimentos. Veja abaixo um exemplo de cárie coronária destacado com a seta vermelha:

Cárie no dente

Cárie radicular ou cárie na raiz do dente

 

É muito comum encontrar no meu consultório pacientes que apresentam retrações gengivais (recessões gengivais) que nada mais são do que as famosas raízes expostas (popularmente conhecidas como pé do dente). O frequência de raízes dentárias expostas aumenta conforme a idade do paciente.retração gengival cárie na raiz do dente

 

 

As raízes dentárias possuem uma quantidade MUITO menor de minerais, podendo ser atacada pelos ácidos bacterianos com mais facilidade, ou seja, havendo a formação da cárie na raiz do dente de uma forma bem mais rápida, já que há pouco mineral para a proteção desta região.

Como se dá o processo de desenvolvimento da cárie dentária?

 

A cavidade bucal compreende uma grande biodiversidade de bactérias, contudo, poucas delas são cariogênicas (desenvolvem cárie ).

Quando o indivíduo apresenta uma dieta rica em açúcar e ingere com alta freqüência, ocorre a formação de ácidos bacterianos a partir da fermentação dos açúcares, promovendo a desmineralização da superfície dentária.
 
Como o esmalte dentário é extremamente resistente, pelo fato de apresentar mais de 96% de matéria inorgânica, este processo pode durar meses ou até anos, dependendo da freqüência de ingestão de carboidratos e da higiene bucal do cliente.
 
→ Cárie Dentária: tudo o que você precisa saber
 
Contudo, quando a cárie dentária ultrapassa o esmalte e chega ao tecido subseqüente, a dentina, que apresenta aproximadamente 70% de matéria inorgânica, este processo se dá de maneira bem mais rápida, além de provocar sensibilidade, que varia de um indivíduo para o outro.
 
Quando este processo não é interrompido pelo Dentista, a cárie alcança a polpa dental (nervo do dente), provocando quase sempre dores intensas, necessitando, na totalidade dos casos, de tratamento de canal no dente.
 

O mesmo processo ocorre também nas cáries radiculares, (foto abaixo) devido ao maior conteúdo de matéria orgânica, promovendo uma menor resistência nesta área.

→ Cárie Dentária: tudo o que você precisa saber

Devido ao fato do longo tempo para a evolução, a cárie dentária nem sempre provoca sintomatologia dolorosa no paciente, ocorrendo muitas vezes quando está em um estágio mais avançado.
 
Quando a cárie atinge a dentina, o paciente pode relatar dor durante a ingestão de alimentos gelados, quentes ou quando ingere algum alimento que contenha doce.
Isso ocorre pois, quando este contato ocorre, os fluidos dentinários se deslocam rapidamente, promovendo sensibilidade na região, cessando somente quando o corpo estranho for removido, no caso, o alimento doce.
Vale a pena ressaltar que nem toda dor de dente é decorrente de processo carioso.

O que é a cárie entre os dentes?

A cárie entre os dentes é um achado bem comum no consultório odontológico e está quase sempre associada ao pouco ou nenhum uso do fio dental bucal.

A escova de dentes possui uma limitação no alcance de determinadas regiões dos dentes, em particular as regiões compreendidas entre os dentes, chamada de região interproximal (foto abaixo).

→ Cárie Dentária: tudo o que você precisa saber

Quando não se usa o fio dental, os restos de comida ficarão localizados entre os dentes, servindo de prato cheio para as bactérias da boca, que iniciarão o processo de formação dos ácidos, que provocarão a destruição dos minerais, formando a cárie entre os dentes.

A olho nu, não é possível identificar a cárie entre os dentes, sendo somente encontrada pelo dentista que, além do exame clínico que fará no paciente, poderá fazer uso de radiografias para complementar o diagnóstico, como mostra a foto abaixo destacando de vermelho a cárie entre os dentes.

→ Cárie Dentária: tudo o que você precisa saber

É verdade que há regiões que são mais fáceis de desenvolver cárie no dente?

Sim. Há regiões dos dentes que apresentam sulcos (pequenas fissuras) que facilitam o acúmulo de placa, favorecendo a formação de cárie no dente. Os dentes molares e pré-molares apresentam maior tendência a ter cárie por causa destes sulcos.

As regiões interproximais (como falamos no tópico anterior) e as regiões dos dentes de trás (posteriores) apresentam um acesso mais difícil à higienização pela escova de dentes. 

 

Como saber se tenho cárie dentária?

 

Como não é comum no Brasil as pessoas procurarem o dentista pra fazer consultas preventivas (a cada 6 meses), ele termina por procurar quando há alguma dor ou quando há o aparecimento dos sintomas abaixo:

  • Presença de pequenos buracos no dente;
  • Dor ao mastigar;
  • Sensibilidade dentária ao calor ou frio;
  • Dor espontânea (ocorre do nada);
  • Aparecimento de manchas pretas ou escurecidas no dente.

Somente o Dentista está apto a dar o diagnóstico de lesão cariosa, onde ele utiliza o exame clínico e radiográfico, quando necessário.

A presença de uma mancha escura nos dentes não quer dizer necessariamente que seja uma cárie, como discutimos.

Antigamente, qualquer alteração de cor na superfície dentária muitas vezes era tratada como cárie, ocorrendo, desnecessariamente, remoção de um tecido sadio que poderia ter sido preservado.

→ Cárie Dentária: tudo o que você precisa saber

Na atualidade, existe o conceito de cárie crônica, que nada mais é do que uma cárie em processo estático (não evolui), podendo muitas vezes ser preservada naquele dente, desde que o cliente apresente uma higiene bucal satisfatória e uma dieta adequada (pouca freqüência de ingestão de açúcar).

Outra consideração importante são as pigmentações dentárias, presentes em maior quantidade nos indivíduos da raça negra.

Tanto estas pigmentações quanto as cáries crônicas só tem indicação de sua remoção por questões estéticas, isto é, quando o paciente não está satisfeito com o aspecto escurecido do dente ou quando ocorre em algum dente da frente, comprometendo a estética do sorriso.

Toda mancha ou ponto escuro é cárie?

Não necessariamente. Como mencionei acima, os dentes podem apresentar pigmentações (sinais) na superfície dentária, que só serão removidas quando comprometerem a estética do sorriso.

O que é uma cárie oculta (ou cárie interna)? 

A cárie oculta, conhecida entre os pacientes como cárie interna, consiste naquela cárie que não é facilmente identificada pelo paciente. 
Por exemplo, cáries entre os dentes pode ser um exemplo de cárie interna. Outro exemplo que também pode ocorrer é o paciente identificar uma cárie no dente com um buraco bem pequeno (foto abaixo), porém, quando o dentista usa a broca, encontra-se uma cárie interna imensa.
cárie interna

O que é cárie profunda?

Na Odontologia, o dentista faz uso de classificações que aprendemos na faculdade para orientar que tipo de tratamento será realizado. Um deles é em relação à profundidade da cárie no dente.

cárie profunda

É considerada uma cárie profunda quando ela apresenta uma proximidade muito grande com a polpa do dente (nervo do dente). O diagnóstico da cárie profunda é feito via radiografias ou durante a remoção da cárie no dente.

Em grande parte dos casos, a cárie profunda apresenta incômodos no paciente, podendo haver a necessidade de tratamento de canal do dente.

Como tratar a cárie dentária? Como é feito o tratamento da cárie no dente pelo dentista?

Depois de diagnosticado a cárie no dente pelo Dentista, esse pode utilizar técnicas para a remoção do tecido carioso.

Na totalidade dos casos, usa-se a caneta de alta rotação com uma broca esférica (foto abaixo). A caneta promove a rotação da broca conectada em sua extremidade, removendo mecanicamente da cárie.

Imagem relacionada

Pode-se também utilizar alguns métodos menos invasivos, como é o caso do uso do papa cárie, contudo com o um uso bastante limitado.

A caneta apresenta orifícios que permitem o fluxo de água, promovendo a refrigeração do local que está sendo tratado, diminuindo a alta temperatura provocada pela rotação da broca em alta velocidade.

Se a cárie no dente for muito profunda, opta-se pelo uso de anestesia odontológica para maior conforto do cliente.

→ Cárie Dentária: tudo o que você precisa saber

Como é feita a obturação no dente que está com cárie?

Removida a cárie no dente, coloca-se um material restaurador, conhecido popularmente como obturação no dente. Cada material e técnica têm sua peculiaridade e indicação, então, não existe um material padrão. A obturação do dente quase sempre é indicada para o tratamento da cárie.

O dentista poderá fazer uso das restaurações de amálgama (conhecida como obturações de platina ou prateadas) ou com restaurações de resina (conhecidas como obturações brancas ou da cor do dente). O passo a passo da obturação dentária basicamente é:

  1. Identificação do dente cariado e do tamanho da lesão;
  2. Remoção da cárie no dente. Se for necessário, aplicar anestesia;
  3. Colocação do material da obturação (amálgama ou resina);
  4. Testar a mordida para saber se não ficou alto ou incomodando;
  5. Polimento na restauração;
  6. Checar se a dor (caso haja) da cárie no dente sumiu.

 

Cada caso dever ser analisado e discutido com o cliente, mostrando a vantagens e desvantagens de cada material. Contudo, de maneira geral, os materiais mais utilizados são o amálgama de prata e a resina composta.

Em uma cárie profunda, após a obturação do dente, o paciente poderá relatar alguma dor de dente, que é algo natural,  desde que haja regressão no decorrer dos próximos 15 dias.

Porém, se  a dor de dente persistir ou aumentar, é importante voltar ao dentista o mais breve possível, pois é possível que tenha a necessidade de fazer tratamento de canal do dente. As obturações poderão e deverão ser realizadas em qualquer pessoa, inclusive gestantes.

 

É necessário fazer a obturação do dente porque a cárie dentária poderá evoluir para um tratamento de canal, como já vimos, e o buraco no dente poderá acumular restos de comida, podendo inclusive causar um mau hálito horrível.

 

Além da obturação dentária, o dentista poderá fazer uso de selantes, que nada mais são do que pequenas películas que irão selar as fissuras nos dentes, impedindo assim que as bactérias entrem naqueles espaços e iniciem o processo da cárie dentária.

 

A cárie pega? Ela pode ser transmitida através do beijo?

Uma dúvida bastante comum entre as pessoas é se a cárie pode ser transmitida. A resposta é sim. As bactérias que causam a cárie no dente podem passar de uma pessoa para outra através de um beijo ou pelo simples ato de soprar a comida de uma criança para esfriá-la.

 

As bactérias que fazem parte do processo de formação de cárie podem ser deslocadas de uma cavidade bucal para outra, havendo então a possibilidade de transmissão.  

A boca seca pode causar cárie no dente?

Sim, pois a saliva oferece uma proteção natural aos dentes, inclusive no combate à cárie dentária. A boca seca caracteriza-se pela baixa produção de saliva, o que facilitaria o desenvolvimento bacteriano, aumentando assim a probabilidade de desenvolver cárie. 

Como prevenir a cárie dentária?

Uma boa higiene oral associada com os cuidados com a dieta e visita regular ao Dentista são muito eficazes para a prevenção da cárie.
Hoje, na Saúde Pública, o uso de flúor nos dentifrícios e fluoretação das águas diminuíram drasticamente a prevalência de cárie, principalmente nas populações menos favorecidas. Veja abaixo algumas dicas para prevenir o aparecimento da cárie no dente:
  • Realizar a Higiene bucal (escovação dental  + uso do fio dental bucal + limpeza da língua) pelo menos três vezes ao dia;
  • Visitar o dentista regularmente (a cada seis meses);
  • Evitar ingerir grandes quantidades de alimentos açucarados. Contudo, se for ingerir, opte por fazer isso uma ou duas vezes ao dia. Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o que facilita o aparecimento da cárie no dente não é a quantidade que se ingere, mas sim a frequência de ingestão; 
  • Diminua ou evite a ingestão de alimentos com grande quantidade de açúcar ou alimentos pegajosos;
  • Use pastas de dente que contenham flúor na composição, pois ajudam a reverter o processo de cárie nos estágios iniciais, porque haverá uma remineralização da área do dente atacada pelos ácidos bacterianos;
  • Alguns transtornos alimentares, como a bulimia e anorexia, além de outros problemas como o refluxo gastroesofágico, podem causar a redução do fluxo salivar e destruição do esmalte a partir dos episódios de vômitos, favorecendo o aparecimento da cárie. Por isso, é importante tratar estes problemas.

 

Como proteger nossos filhos das cáries dentárias?

 

De forma geral, as crianças adoram comer açúcar. Balas, doces, chicletes, etc. A prevenção de cárie nos dentes dos nossos pequenos ocorre da mesma forma que nos adultos.

A participação dos pais é fundamental para a prevenção. Não é porque é um dente de leite que não vai cuidar. É saúde bucal do mesmo jeito!

 

Gostou da postagem?  Que bom! =)

Compartilhe com seus amigos!

Caso haja alguma dúvida, não hesite em perguntar abaixo! Mande sua dúvida que farei de tudo para te ajudar!

Grande abraço!

Wilson Correia Jr.

Comment on "→ Cárie Dentária: tudo o que você precisa saber"

  1. Anônimo

    ÓTIMA MATÉRIA!
    PARABÉNS!!

  2. Anônimo

    Qual o estágio que se extrai o dente?, há outras formas de tratar sem extração?, DÓI MUITO o uso da caneta de alta rotação com atrito ao dente?, e quando se tem cárie e não se sente dores fortes quando a fisura paresse profunda?, São perguntas de um quase desesperado!, PARABÉMS PELO BLOG CONTINUE ABORDANDO ESSE E OUTRAS DOENÇAS QUE AFETA OS DENTES.

  3. Dr. Wilson Correia Júnior

    Prezado,

    O dente só é extraído em último caso, quando nada pode ser feito para salvá-lo.

    O uso da alta rotação pode causar um incômodo que pode ser evitado com anestesia local.

    O limiar de dor de uma cárie dentária varia de pessoa para pessoa. Todavia, geralmente há sintomatologia dolorosa, mesmo que seja com um grau variável.

    Agradeço os elogios!

Leave comment

Rua João Fernandes Vieira, 547, sala 305

Boa Vista, Recife/PE

(81) 30627303

Agende sua consulta

Horário de Funcionamento

Seg - Sex: 8:00 - 17:00

Fale Conosco

[email protected]
error: Proibida a cópia sem autorização