extrair um dente

→ Por que você NÃO DEVE extrair um dente sem necessidade

→ Por que você NÃO DEVE extrair um dente sem necessidade
5 (100%) 121 votes

Hoje vamos debater um tema que, por mais que pareça lógico, ainda gera muitas dúvidas: a permanência do dente na cavidade oral. Em outras palavras: por qual motivos você NÃO deve extrair um dente sem necessidade.

Talvez, as perguntas e/ou justificativas que eu mais escutei na minha vida acadêmica e profissional sobre este tema foram estas:

“Posso extrair um dente? Tá doendo muito!”

“Eu vou extrair o dente porque fazer canal dói!”

“Ah Dr. é só um dente de leite! Posso extrair não é?”

“Eu vou extrair um dente porque canal é caro e é melhor pagar por uma coroa!”

“Eu tenho muito dente na boca Dr. Um não vai me fazer falta!”

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, um dente ausente na boca promove muitas repercussões negativas, tanto no que diz respeito à saúde quanto à questão psicossocial.

De acordo com o projeto SB Brasil 2003, que avalia as condições de saúde bucal, os dados mostraram, por exemplo, que cerca de 60% da população entre 35 e 44 anos e quase 3% dos brasileiros entre 15 e 19 anos usam algum tipo de prótese.

O Dente

O dente é uma unidade extremamente dura e resistente, localizados nos ossos maxilares e mandibulares, comumente. Tem a cor branca e apresenta várias formas. Cada dente ou grupo de dente tem funções na arcada dentária.

Os dentes são compostos por tecidos dentinários, já discutidos em outros posts.

Dentes Decíduos (dentes de leite)

Nas crianças, entre os 7 e 26 meses, ocorre a erupção dos dentes decíduos, ou como são mais conhecidos, dentes de leite.Recebem este nome por apresentarem-se mais brancos que os dentes permanentes e estão em número de 20, geralmente.

Ao contrário do que muitos pensam, os dentes de leite não estão ali por acaso. Eles desempenham funções:

A – Papel importante na mastigação dos alimentos. A ausência pode dificultar a mastigação dos alimentos, prejudicando a digestão e absorção dos nutrientes;

B – Atuam como “guia” dos dentes permanentes, “guardando” aquele espaço para os dentes permanentes, promovendo a correta posição de erupção dentária. A extração precoce (cedo) pode provocar perda deste espaço, dificultando ou até impedindo a erupção dos dentes permanentes;

Contudo, muitas vezes ocorre a perda dental por outros motivos (trauma por ex.). O Dentista pode confeccionar um mantenedor de espaço (foto ao lado), que servirá para preservar aquele espaço para o dente permanente.

A vantagem deste recurso é a manutenção do espaço, logo, visando prejuízos futuros, a recuperação da função mastigatória deste espaço (mantenedor funcional) e custo acessível;

C – Desempenham papel na fonação (articulação das palavras), uma vez que há o contato nos dentes para formação das palavras. Tal fato pode gerar a dificuldade de fonação, fazendo com que a criança tenha dificuldade de se expressar foneticamente, sendo muitas vezes necessária a intervenção do profissional fonoaudiólogo;

D – Prevenção contra hábitos deletérios. Um exemplo clássico disso é quando uma criança perde o incisivo decíduo (foto ao lado) e tende a “brincar” com aquele espaço interpondo a língua, succionando o dedo, etc. Tais costumes podem gerar problemas, como a mordida aberta, que muitas vezes são corrigidos através do tratamento ortodôntico.

Cada dentinho deste tem sua época de erupção e de esfoliação (queda do dente). A extração precoce destes dentes pode provocar problemas discutidos acima. Então, pense bem antes extrair o dente de leite. 

Dentes Permanentes

Os dentes permanentes são diferentes dos dentes decíduos em número e forma. Estão em número de 32 (geralmente) e apresentam forma e cor diferente dos decíduos. Assim como os decíduos, cada grupo de dente deste tem uma função importante na cavidade oral. A perda deste dentes causa muitos problemas, que vão desde problemas de saúde a problemas sociais.

Por que se faz a extração de um dente?

Um dente pode ser extraído por muitos motivos:

  • Cárie extensa com envolvimento da região de furca (espaço entre as raízes dentárias);
  • Fratura dentária (determinados casos);
  • Doença periodontal avançada;
  • Indicação ortodôntica (aparelhos);
  • Abscessos dento-alveolares sem a possibilidade de salvar o dente;
  • Patologias associadas ao dentes (ex. cisto);
  • Qualquer outro motivo que inviabilize a permanência do dente na cavidade.

Por que extrair um dente quando existe a possibilidade de salvá-lo?

Porque, como já foi dito, aquele dente desempenha uma função. Quando se perde um dente, por quaisquer que sejam os motivos, o osso daquela região é reabsorvido, promovendo uma perda óssea naquele local.

Caso haja a “demora” para a reposição daquele espaço vazio, os dentes ao lado, tendem a se deslocar na tentativa de fechar os espaços vazios. Ocorre que, na maioria dos casos, os dentes que “andam” não vêm alinhados, e sim inclinados, causando uma distribuição de forças inadequadas no dentes, uma vez que ele está preparado para receber uma força quando sua posição é correta.

Costumo fazer uma comparação com meus clientes entre o dente e uma cadeira. Uma cadeira de 4 pés foi feita para aguentar uma força distribuída nos seus 4 pés!

Mas se você apoiar a cadeira em 2 pés e colocar a mesma força, a tendência é que a mesma quebre ou se danifique. Com o dente é bem parecido. A diferença é que ele pode quebrar ou causar dores na região, que se estendem para as regiões vizinhas (dores orofaciais).

Um dos argumentos para extrair um dente é a possibilidade de repor o dente proteticamente. A reposição protética, além de ser dispendiosa (quando realizada com material de qualidade), nunca recupera 100% a capacidade mastigatória do indivíduo, além de ter a necessidade de manutenção por um determinado período de tempo.

Costumo ver aqui em Recife muitos protéticos (profissional capacitado para preparar a prótese em laboratório) trabalhando como protesistas (dentista especializado em prótese).

Isto além de ser um crime, constitui-se um problema, visto que muitos clientes acreditam que o protético está capacitado para isto ou porque eles terminam realizando o “serviço” a preços “populares”. muitas vezes, o barato termina saindo caro. 

Uma prótese dentária mal feita pode acarretar problemas mastigatórios, de mucosas (feridas ou infecções por prótese mal adaptada), de fonação, na ATM (articulação temporomandibular) e principalmente de ordem social.

Os indivíduos que possuem próteses inadequadas esteticamente apresentam problemas de convívios sociais, pois tem vergonha de falar com medo que a “peça caia” ou que alguém diga que sua peça está feia.

Hoje em dia, há a possibilidade de repor o espaço ausente por um implante dentário, que nada mais é do que a inserção de um pino de titânio no osso, com posterior colocação de uma prótese (coroa) sobre o implante dentário.

Entretanto, por se tratar de uma técnica que requer um treinamento especializado e por se utilizar um material bastante oneroso, este procedimento apresenta um custo bastante elevado.  

Tratamento de canal  X extração do dente

Outra justificativa bastante freqüente da extração é a possível dor que um tratamento de canal poderia provocar.

O tratamento de canal ou tratamento endodôntico tem como objetivo remover os microorganismos localizados no interior do canal, preenchendo ao término do tratamento o canal radicular com um material biocompatível, ocupando o espaço que antes era da polpa (nervo) do dente.

Tal procedimento ocorre sob anestesia local, e, na maioria dos casos, é um processo indolor. Muitas são as causas da necessidade de intervenção endodôntica, sendo a cárie a causa mais frequente.

Dependendo do canal, o custo pode ser oneroso, todavia, a recuperação do dente evitando sua perda torna-se gratificante, tanto para o cliente quanto para o Dentista.

Como vimos, existem indicações para a extração de dente. Extrair um dente pode acarretar problemas futuros. Cada caso deve ser analisado pelo Dentista e discutido com o cliente.


Gostou da postagem?  Que bom! =)

Compartilhe com seus amigos!

Caso haja alguma dúvida, não hesite em perguntar abaixo! Mande sua dúvida que farei de tudo para te ajudar!

Grande abraço!

Wilson Correia Jr.

 

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

Comment on "→ Por que você NÃO DEVE extrair um dente sem necessidade"

  1. Anônimo

    Olá,Doutor!
    Meu nome é Patrícia Franco e gostaria de tirar uma dúvida,se possível:
    Preciso fazer vários canais e um desses dentes (2º pré-molar superior esquerdo) está bem danificado.Só está com a parte externa e bem escurecido. Fui mastigar uma bala e com isso ficou mole e também sensível. Neste caso, ele terá que ser extraído ou ainda poderá ser realizado o canal e a restauração? Obrigado!

  2. Dr. Wilson Correia Júnior

    Prezada,

    O exame radiográfico vai identificar o nível e a dimensão da fratura dental. A partir daí se faz um planejamento.

    Pelo que informou, o seu caso possivelmente findará em prótese fixa.

    Dê uma lida no post de prótese fixa!

  3. Anônimo

    Muito obrigado doutor pela orientação!!!
    Patricia Franco

  4. Anônimo

    Olá,Doutor! Tudo bem!
    Meu dente quebrou totalmente bem "rente" a gengiva.
    Se eu extrair sua raiz,pode diminuir o espaço ou mesmo assim ele ficará (o espaço) lá permanentemente?

    Obrigado!

    Patricia Franco

  5. Dr. Wilson Correia Júnior

    Prezada,

    Só tire o dente se for em último caso! Veja este vídeo e veja o que ocorre!

    Abraço!

  6. Anônimo

    Olá,Doutor!

    Não consegui visualizar o vídeo… Mas mesmo assim,obrigado pela atenção!!

    Felicidades pelo seu dia!!

    Abraço!

    Patricia Franco

  7. Dr. Wilson Correia Júnior

    Prezada,

    Copie e cole o link abaixo:

Leave comment

Rua João Fernandes Vieira, 547, sala 305

Boa Vista, Recife/PE

(81) 30627303

Agende sua consulta

Horário de Funcionamento

Seg - Sex: 8:00 - 17:00

Fale Conosco

[email protected]
error: Proibida a cópia sem autorização